BRODAGEM se faz com SISTER

Uma das peças do desfile, ainda em processo


Depois do meu nome sumir misteriosamente da ficha técnica do CD da cantora nordestina, aprendi que não se faz nada na “brodagem” com alguém de quem não se conhece o caráter!

Ou seja: “brodagem” se faz com brothers e sisters, com pessoas que conhecemos, amamos e respeitamos, em via de mão dupla.
Topei, então, participar de outra empreitada no mundo da moda. Desta vez, com a amada amiga Andréa Monteiro. A bicha é o cão chupando manga. Amarelo Manga! É dela o figurino do filme de Claudio Assis e de muitos outros.
Muito talentosa e querida!

Quem participa também são minhas querida toyfriends Claudinha Holanda e Cris Mergulhão, que produziram adereços em cerâmica exclusivos para o desfile.
Um escândalo.

Amanhã, estaremos com a stylist no atelier de Andréa e faremos fotos do making of do trabalho de Clarissa Galvão. Mostrarei tudo em seguida.
; )

A produção e assistência estão sendo realizadas com muito charme pela querida Silvana Café e a trilha é do monstro mais amado do Recife: Evandro Sena.

O release segue abaixo. Eu que escrevi. Num tou falando que a parada é entre amigos-amados?
Merda!!!


O olhar da moda sobre a boneca sabida

Uma coleção que irá tocar fundo na alma feminina. Dez looks representam os ciclos de vida e morte que marcam o corpo e o espírito da mulher. Figurinos tratados como
equipamentos desenvolvidos por Andréa Monteiro para propiciar o contato com a realidade,
despertar a natureza, a intuição, a libido, a coragem, a autoproteção.

Duas referências marcaram fortemente o processo de criação. Uma delas
é um fascínio pela moda das ruas do Japão, com ênfase no bairro
Harajuku. O arrojo nas superposições de peças, justaposições de
estampas e texturas, a profusão no uso de acessórios, tudo isso tira o
fôlego da estilista. Tão contemporâneos e, ao mesmo tempo, tão
evidentemente ligados aos kokeshi, bonecos que mimetizam a corte
nipônica.

A outra, a lenda russa “Vasalisa”, história que narra o caminho
traçado por uma menina em busca de conhecimento sobre si mesma e o
universo circundante. Para enfrentar os desafios, a menina conta com
uma boneca herdada da mãe em seu leito de morte. Antes de morrer, a
mãe ensina que a boneca deve ser atentamente ouvida pela menina, uma
clara metáfora para a intuição, a natureza selvagem que cada mulher
tem dentro de si adormecida pela educação recebida e pelas
expectativas da sociedade.

A cartela de cores minimalista é sugerida pela tradição oriental,
encontrada tanto nas cerimônias japonesas quanto na simbologia do
conto russo. Preto, vermelho e branco marcam respectivamente os
momentos que antecedem o nascimento de novas etapas na vida; o pulsar
do sangue, dos sentimentos, das idéias; e o luto, mas também a coragem
para deixar morrer o que não serve mais.

Para Andréa, moda é uma forma de expressão. Delicadeza e força
femininas não se opõem, mas se complementam, assim como as peças
trazidas pelas artistas plásticas convidadas para criar acessórios
exclusivos. Da imutabilidade da cerâmica vitrificada de Claudia
Holanda e Cris Mergulhão à maleabilidade das flores em tecido dobradas
por Eva Duarte, aparece o equilíbrio das forças da natureza.

O desfile da nova coleção de Andréa Monteiro acontece no dia 10 de
julho às 20:30 na FENEARTE – Feira Nacional de Negócios do Artesanato.

Uma resposta para “BRODAGEM se faz com SISTER

  1. Estou emocionada, my toyfriend!!! Gostei de mais do texto…agora quero ver as fotos! BEIJO BEIJO BEIJO

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s